Please use this identifier to cite or link to this item: http://localhost:8080/xmlui/handle/7891/3994
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorBauer, Carlos
dc.date.accessioned2016-10-13T18:42:28Z
dc.date.accessioned2019-12-11T10:33:10Z-
dc.date.available2016-10-13T18:42:28Z
dc.date.available2019-12-11T10:33:10Z-
dc.date.issued2006-09
dc.identifier.citationBAUER, Carlospt_BR
dc.identifier.otherFPF_PTPF_01_0653
dc.identifier.urihttp://acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/handle/7891/3994-
dc.descriptionApresentado no V Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire, realizado na cidade de Valência, Espanha, durante os dias 12 e 15 de setembro de 2006. O tema principal neste encontro para a realização dos textos e artigos ficou centrado em: “Sendas de Freire: opresiones, resistencias y emancipaciones em um nuevo paradigma de vida".pt_BR
dc.description.abstractO objetivo central do presente trabalho é buscar lançar um olhar crítico sobre um dos principais organismos políticos criados pelos trabalhadores rurais brasileiros, no caso o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) - aqui estudado no desenvolvimento dos seus princípios educacionais, perspectivas culturais, trabalho de formação e conscientização política -, e que teve entre os seus marcos históricos a luta contra a ditadura militar e a democratização do Estado em nosso país. De fato, o MST vem ocupando um lugar de destaque, colocando-se como um dos legítimos interlocutores dos setores populares no processo de disputa da hegemonia política em curso na sociedade brasileira. Reconhecer isto, se mostra relevante, principalmente se levarmos em consideração os aspectos e os princípios educativos dos movimentos sociais. Sobre estes, inclusive, a professora Maria da Glória Gohn, faz a seguinte reflexão: “A educação ocupa lugar central na acepção coletiva da cidadania. Isto porque ele se constrói no processo de luta que é, em si próprio, um movimento educativo” (GOHN, 1994, p. 16). Assim, estamos preocupados em estudar, numa dimensão histórica e política, o papel do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na disputa da hegemonia e construção de uma contra-hegemonia cultural quanto à criação de condições objetivas para a formação de um bloco histórico, que assuma às responsabilidades pelas transformações estruturais em nosso país. Mais precisamente estamos dispostos em buscar reunir subsídios que permitam aos interessados melhor compreender e refletirsobre as relações entre o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e as fecundas aspirações que nutrem pela educação.pt_BR
dc.format.mimetypePDFpt_BR
dc.language.isoptpt_BR
dc.language.isoenpt_BR
dc.publisherInstituto Paulo Freire - Espanha/ V Encontro Internacional do Fórum Paulo Freirept_BR
dc.rightsEsta obra foi doada ao Instituto Paulo Freire e disponibilizada para acesso público sob uma Licença Creative Commons Atribuição - Compartilhamento pela mesma licença 4.0 (CC BY-SA 4.0)pt_BR
dc.subject.otherMovimentos - Educaçãopt_BR
dc.subject.otherTrabalhadores Rurais - Educaçãopt_BR
dc.subject.otherMovimentos Sociais - História Brasilpt_BR
dc.subject.otherConflito Socialpt_BR
dc.subject.otherMovimentos dos sem terrapt_BR
dc.titleO papel da produção do conhecimento na transformação social: aspectos históricos e as propostas educacionais do movimento dos trabalhadores rurais sem terra no Brasil contemporâneo - Um compromisso político com a transformação social.pt_BR
dc.typeResumospt_BR
Appears in Collections:Artigos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FPF_PTPF_01_0653.pdf14.66 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.